E se desistir?

Lidar com infertilidade é simplesmente duro, tanto física como psicologicamente, mas ainda mais díficil é querermos ter um filho, uma extensão de nós, e termos aceitar o facto de que não podermos conceber naturalmente. E, por vezes, com o objectivo de nos protegermos a nós próprios temos de fazer escolhas, seguir novos caminhos, outro futuro, diferente daquele que tínhamos planeado. E portanto em vez de bebés passamos a pensar mais acerca de viagens, aventuras, sucesso e ter mais independência, ou seja, usufurirmos desta “liberdade” e “não responsabilidade” de (não) termos um filho.

Queria ter tido esta visão das coisas, objectivos e sonhos, há 2 anos atrás, mas claro que a infertilidade tinha de nos “roubar” esses momentos. No entanto, por mais gratificante e fantástica que fosse essa vida de liberdade, sucesso pessoal e profissional, viajar e de aventura, não era o que eu mais queria na minha essência. Eu queria ser mãe. E agora, 2 anos depois a lidar com esta treta que é a infertilidade, de tratamentos falhados, será que ainda quero?

Quanto mais vou andando e avançando neste caminho de rosas com os espinhos da infertilidade, mais me afasto deste sonho de ter a minha própria família. E às vezes olho para o N. e simplesmente desabafo “ainda bem que não tivemos filhos até agora. Que faríamos? Adoro dormir até tarde ao fim-de-semana. Durante a semana fico sempre mais um pouco na cama e depois é sempre a correr para ir trabalhar. Estou numa fase crucial do doutoramento. Acabar a tese é uma prioridade. Se tivessemos um filho certamente não poderia fazer isto, entre outras coisas.”

Actualmente, não só estou bem com o facto de (ainda) não ter conseguido engravidar, como já nem penso muito acerca de algum dia ter sequer um filho. E quanto mais tempo penso na possibilidade de ter um filho, menos o quero. Acabei por me aperceber que se passo a minha vida a pensar neste assunto, desperdiço todas as outras coisas e pessoas que me fazem sentir feliz. Quanto mais depressa aceito esta realidade mais em paz me sinto comigo mesma. Eu sinto-me bem, algo que não imaginei ser possível enquanto não conseguisse o nosso tão desejado filho.

Eu sei que temos 5 embriões congelados, são nossos e quem sabe lá está o nosso futuro tesourinho. Mas na realidade depois dos tratamentos falhados, a ansiedade foi-se . A esperança num desses “pequenos” mantém-se mas devemos continuar os tratamentos ou simplesmente desistir (talvez e apenas por agora, durante este ano?)? Dedicar 2015 às outras coisas que nos fazem sentir felizes! Mudar de vida. Quem sabe mudar de país até. Amo Portugal, e durante os últimos 5 anos adorei a Holanda, mas agora é a Suiça que está ao alcance de uma nova vida. Mudar de país significa começar uma nova vida, página em branco, sem tratamentos. Estará na altura de desistir?

10006292_890281551004034_484628685491836233_n

Anúncios

4 pensamentos sobre “E se desistir?

  1. Está na altura de te dedicares a ti,sem ressentimentos, sem pensar e se?! Está na altura de quereres a tua paz e o teu conforto, de viver cada dia sem agonias e anseios… Dá um tempo a ti mesma, dá um tempo à tua vida e aproveita agora, por uns tempos, a ausência de preocupações com tratamentos, injecções, etc… Vive a felicidade de terminares o teu Doutoramento, vive a felicidade de poderes partilhar os dias com o teu marido, vive a felicidade de dormir até tarde ao fim-de-semana, de acordar em cima da hora, e depois, se te voltares a sentir pronta para a luta, tu o sentirás (e te adaptarás como todas as mulheres)! Até lá, devolve a ti a Sandrinha energética e cheia de vida que nós tanto adoramos!

    • Sabes que conceber naturalmente não vai acontecer. Nós estamos bem e relaxados. Esta questão de desistir ou não prende-se pelo processo em si, sempre dependente de medicação, estar nesta fase crítica do PhD e pela decisão de nós mudar-nos para a Suíça… Sabemos que de casais q passam anos e anos nesta luta e finalmente conseguem. Nós estamos nisto há 2 anos e parece-me já uma eternidade. À verdade é q já decidimos q quando nos mudarmos de vez para Zurich e então desistimos. Novo livro na nossa vida! 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s